Subiu para 46 o número de feridos nos confrontos de sábado, entre apoiantes do MDM e da Frelimo, seguidos de intervenção policial, no bairro da Munhava, Beira, centro de Moçambique, disse este domingo à Lusa fonte hospitalar.

Orlando Jamal, porta-voz do Hospital Central da Beira (HCB), contou que, até ao início da tarde, mais 20 pessoas teriam dado entrada naquela unidade, totalizando 46 as vitimas dos confrontos, dos quais quatro continuam internadas.

O presidente do MDM, terceira força parlamentar moçambicana, e autarca da Beira, em Sofala, centro do país, Daviz Simango sugeriu hoje ter «escapado a um atentado», que resultou em confrontos entre seus apoiantes e a polícia no sábado.

Em declarações à Lusa, Daviz Simango disse que além da sabotagem da sua campanha, a «polícia cumpria uma declarada missão de inviabilizar» o processo para as eleições de quarta-feira, às quais concorre para sua recondução a presidente da segunda maior cidade de Moçambique, pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM).