O vice-presidente dos EUA, o democrata Joe Biden, anunciou, esta quarta-feira, que não será candidato às eleições presidenciais de 2016.

Segundo a agência Reuters, Biden disse que “é demasiado tarde” para um campanha que lhe valha a nomeação democrata para as eleições de novembro do próximo ano. O vice-presidente, que perdeu um filho em maio, devido a um tumor cerebral, considerou que o período de luto teve influência na decisão.

Numa conferência de imprensa na Casa Branca, Biden aproveitou para dizer que democratas e republicanos devem procurar compromissos, porque a divisão entre partidos está a "partir" o país. O vice-presidente disse que os republicanos não são o inimigo, e que a palavra “compromisso” não deve ser vista como um palavrão.

Biden acrescentou, ainda, que é, também, altura de os EUA aceitarem que não podem resolver os problemas do mundo sozinhos.

Sobre a saúde, e devido à doença que causou a morte do filho Beau, Biden pediu que se aumente o investimento para encontrar uma cura para o cancro.

Esta seria a terceira vez que Joe Biden, senador durante três décadas, procuraria apoio para a corrida à Casa Branca, depois das tentativas falhadas de 1988 e 2008. Desta vez, a sua principal oponente seria Hillary Clinton, secretária de Estado, que lidera as sondagens para ser candidata democrata.