Atualizado às 14:40

O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) da Guiné-Bissau, Augusto Mendes, acredita que a taxa de participação nas eleições gerais de hoje poderá variar entre 60 a 70 por cento(%), uma das «mais significativas» da história do país.

«Penso que será uma participação das mais significativas na história dos processos eleitorais guineense. Acho que teremos mais ou menos 60 a 70%» de eleitores a votar, referiu aos jornalistas.

Augusto Mendes falava depois de ter votado durante a manhã, em Bissau. Segundo referiu, a participação «é muito encorajadora».

Aquele responsável salientou que a CNE deverá apresentar os resultados definitivos das eleições «na próxima semana».

«Estamos a lutar para isso. Vamos envidar esforços no sentido de podermos ter os resultados dentro de uma semana», conclui.

As 2.983 mesas de voto (28 na diáspora) das eleições de hoje vão estar abertas até às 17:00 locais (18:00 em Lisboa).

Cada eleitor vai poder preencher dois boletins de voto com 13 candidatos presidenciais e 15 partidos a concorrer à Assembleia Nacional Popular.

Um total de 775.508 cidadãos constam dos cadernos eleitorais após o recenseamento realizado entre dezembro e fevereiro deste ano. Para além de escolherem um novo presidente vão eleger os 102 deputados da Assembleia Nacional Popular.

As eleições deste domingo na Guiné-Bissau acontecem na sequência do golpe de Estado de abril de 2012, quando os militares retiraram do poder o Presidente interino Raimundo Pereira e o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior e instalaram um Governo de transição.

Estas eleições gerais estavam previstas para ocorrerem em abril de 2013, mas foram sucessivamente adiadas.

Um total de 775.508 cidadãos constam dos cadernos eleitorais da Guiné-Bissau e têm direito a votar, de acordo com o recenseamento realizado entre dezembro de 2013 e fevereiro deste ano.

Várias mesas de voto

Os quatro mil guineenses recenseados em Portugal que vão às urnas no domingo para escolher o novo Presidente e o parlamento da Guiné-Bissau, têm várias mesas de voto espalhadas pelo território português, informou a embaixada daquele país africano em Lisboa.

«Aproximadamente quatro mil pessoas foram recenseadas em Portugal e poderão participar nas eleições gerais guineenses», disse o encarregado de negócios da embaixada da Guiné-Bissau em Lisboa, M'bala Alfredo Fernandes.

Os eleitores poderão dirigir-se às mesas de voto entre às 08:00 e às 18:00.

No Porto, os guineenses poderão votar no Paços do Conselho, de acordo com M'bala Alfredo Fernandes.

Haverá uma mesa móvel na residência universitária da Universidade de Aveiro, das 08:00 às 11:00, e, depois, desloca-se para Coimbra, ficando na Casa da Lusofonia da Universidade de Coimbra - Edifício das Matemáticas, das 12:00 às 18:00.

No Algarve, os eleitores poderão votar no Hotel Feliz Choro, na Albufeira.

A Câmara de Loulé disponibilizará uma camioneta, que sairá da Associação Guineense de Almancil e levará os eleitores para votarem em Albufeira.

O transporte para a Albufeira será realizado às 09:50 e, posteriormente, às 15:50.

Em Lisboa e arredores, haverá uma mesa no refeitório da Câmara Municipal da Amadora, no complexo desportivo de São Domingos de Rana, nos Paços do Concelho de Odivelas, na Escola Básica Nº 1 de Vale da Amoreira (na Margem Sul) e no auditório da Universidade Lusófona.

Em Alverca, haverá também uma mesa móvel, das 08:00 às 11:00, na Casa do Povo de Arcena e, posteriormente, a mesa deslocar-se-á para a Sala Multiusos do ATL/junta de freguesia, em Sacavém, onde ficará entre as 12:00 e as 18:00.