A China está a enfrentar um novo escândalo de corrupção depois da agência Xinhua ter revelado sábado subornos de mais de 13,2 milhões de euros numa eleição na província central de Hunan.

O caso, de acordo com a Xinhua, envolve 512 dos 527 deputados do hemiciclo da cidade de Hengyang que terão sido subornados com um montante de 110 milhões de yuan (cerca de 13,2 milhões de euros) para escolherem 56 dos seus elementos para a assembleia legislativa provincial, o órgão imediatamente superior na hierarquia comunista.

Após a descoberta do caso, que aconteceu há um ano, os 512 deputados demitiram-se enquanto os 56 "eleitos" foram demitidos, refere uma nota da assembleia provincial de Hunan.