Dois soldados morreram este domingo devido à explosão de um carro-bomba num posto de controlo junto à cidade de Mariúpol, no leste da Ucrânia, informou o Conselho de Segurança Nacional e de Defesa (CSND) ucraniano.

O porta-voz do CSND, Andréi Lisenko, indicou que um automóvel se aproximou do posto de controlo com uma suposta carga para as unidades militares colocadas nesta zona, tendo depois ocorrido a explosão.

Anteriormente, a liderança ucraniana informara que um soldado tinha morrido sábado na sequência de um ataque das milícias separatistas pró-russas que controlam parte das regiões orientais de Donetsk e Lugansk, onde hoje os separatistas elegem os seus líderes.

As autoridades de Kiev já alertaram para a existência de uma deslocação «intensa de equipamentos e de tropas» russas na zona controlada pelos separatistas, no leste da Ucrânia.

«Há uma intensa deslocação de equipamentos militares e de tropas inimigas do território da Rússia rumo ao território controlado pelos rebeldes», afirmou um porta-voz militar ucraniano, Andriy Lyssenko, citado pela agência de notícias France Presse.

As regiões separatistas pró-russas de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, votam este domingo para escolher os presidentes e parlamentos regionais, numa eleição que visa legitimar a independência declarada unilateralmente, mas é considerada ilegal por Kiev.

As eleições na região de Donetsk e Lugansk, autoproclamadas Repúblicas, estão sedeadas nas duas cidades principais e foram promovidas para conceder legitimidade ao regime militar que controla a zona.

Apesar da Rússia apelar ao reconhecimento das eleições para que o processo de paz possa avançar com representantes oficiais, o ocidente, liderado pela União Europeia e Estados Unidos já afirmaram não reconhecer o ato eleitoral.