As próximas eleições gerais em Angola deverão realizar-se em agosto de 2017, anunciou, nesta sexta-feira, em Luanda o líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

No entanto, José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola desde 1979, não esclareceu se vai recandidatar-se.

O anúncio foi feito durante a reunião do comité central do MPLA, órgão deliberativo máximo do partido entre congressos, sob orientação de José Eduardo dos Santos, para apreciar, entre outros assuntos, as atividades do partido no próximo ano e preparar o congresso ordinário, a ter lugar "em meados" de 2016.

A reunião, que junta em Luanda mais de 260 dos membros do comité central do MPLA, vai tratar ainda do "advento das eleições gerais - presidenciais e legislativas -, em agosto de 2017", disse José Eduardo dos Santos, na intervenção de abertura deste encontro.

O líder do MPLA anunciou, igualmente, uma renovação de 45% dos cargos diretivos no partido, no poder desde 1975.

"Aprovámos as principais teses do partido no congresso extraordinário, que serão naturalmente homologadas no congresso ordinário. Agora são as alterações a introduzir nos estatutos e no programa geral do partido que vão dominar a nossa atenção, a todos os níveis, bem como o processo de renovação, em 45%, da direção, nos vários escalões previstos nos estatutos do partido", afirmou José Eduardo dos Santos.

As últimas eleições gerais em Angola realizaram-se a 31 de agosto de 2012, tendo vencido o MPLA, por larga maioria.
 

Crescer 6% para reduzir pobreza


José Eduardo dos Santos afirmou, igualmente, perante o comité central do MPLA, que o país precisa de crescer 6% ao ano para poder "reduzir significativamente a pobreza".

Além das eleições e da reorganização do partido, há vários assuntos em apreciação como o "Investimento Privado em Angola".

O Presidente angolano assumiu perante os mais de 260 dos membros do comité as dificuldades do 2015, devido à quebra das receitas com a exportação do petróleo.