O diretor de campanha do candidato presidencial Donald Trump, Paul Manafort, demitiu-se nesta sexta-feira, a três meses das eleições para a Casa Branca e dois dias depois das notícias que dão conta do seu envolvimento num processo de corrupção na Ucrânia e do financiamento do movimento de Jonas Savimbi durante a guerra civil em Angola.

Trump reagiu à demissão em comunicado, no qual enaltece o mérito de Manafort, desejando-lhe sucesso.

Paul Manafort renunciou, nesta manhã, e aceitei a sua demissão do cargo de diretor da campanha. Gostei muito de trabalhar com ele por me ter ajudado a chegar até aqui, em particular pelo seu empenho nos comícios e na convenção republicana. O Paul é um grande profissional e desejo-lhe muito sucesso”, disse Trump, citado pela agência Reuters.

Steve Bannon, ex-banqueiro e presidente executivo do portal Breitbart News, uma plataforma digital de linha conservadora conhecida por exaltar a figura de Trump, é o novo diretor de campanha.

Segundo a imprensa internacional, a renúncia de Paul Manafort também estará associada ao recente arrependimento de Donald Trump sobre algumas declarações que proferiu ao longo da sua campanha.

Às vezes, no calor do debate e falando sobre uma grande variedade de temas, não escolhemos as palavras corretas e dizemos coisas erradas", afirmou Trump em Charlotte, na Carolina do Norte. "Isso aconteceu comigo e, acreditando ou não, eu lamento."

Com esta nova posição, o magnata norte-americano pretende recuperar eleitorado indeciso e que não se tem revisto nas suas declarações e posições políticas.