A autoria do atentado perpetrado numa mesquita saudita, em Abha, na Arábia Saudita, esta quinta-feira, já foi reivindicada pelo Estado Islâmico. O grupo soma o ataque, que vitimou 15 pessoas, à lista de atentados a mesquitas nos últimos meses.

Al-Hijaz Province, um grupo afiliado ao Estado Islâmico, serviu-se da Internet para reclamar a culpa do ataque. Outro grupo com ligação ao EI afirmou estar por trás dos bombardeamentos a duas mesquitas xiitas, em maio, que tiveram apenas uma semana de distância e que provocaram juntas 25 mortos e mais de cem feridos.

O atentado terrorista desta quinta-feira, levado a cabo por um bombista suicida, deu-se quando as forças de segurança rezavam as suas preces do meio-dia.

Este foi descrito como o atentado mais mortal às forças de segurança sauditas nos últimos anos.

Inicialmente foram anunciados 13 mortos, mas as autoridades vieram depois a público confirmar a morte de dois dos feridos.

Um membro do ministério do interior disse, em entrevista à BBC, que maior parte das vítimas pertenciam à unidade SWAT (as forças especiais de armamento e táticas de guerra).

O atentado vitimou também três trabalhadores da mesquita e feriu dezenas de pessoas.

O mês passado as autoridades prenderam 432 suspeitos de envolvimento com o grupo extremista e acusados de participar no planeamento dos atentados a várias mesquitas no país.