O Supremo Tribunal Administrativo do Egito ordenou este sábado a dissolução definitiva do Partido Liberdade e Justiça (PLJ), braço político da confraria da Irmandade Muçulmana, declarada como organização terrorista em 2013.

Na sua decisão, que não é passível de recurso, o tribunal considerou que o PLJ viola a Lei de Partidos, que proíbe a existência de partidos religiosos.

Presidido pelo magistrado Farid Nazif Tanugu, o tribunal teve em conta os múltiplos pedidos judiciais que reclamavam a dissolução do partido e condenou ainda o partido a devolver os seus fundos ao Estado, expropriando todos os seus bens.