A tripulação do avião russo que se despenhou, este sábado, na península do Sinai, Egito, foi sujeita a exames médicos recentemente, não tendo sido detetados quaisquer problemas, indicou uma procuradora à agência Interfax.

“A tripulação foi sujeita a exames médicos antes do voo para Sharm el-Sheikh, e não foram detetados quaisquer problemas”, disse Maiya Ivanova.


A mesma fonte indicou também que a qualidade do combustível usado pela companhia aérea russa que operou o voo também foi sujeito a testes, descartando, igualmente, quaisquer problemas a este nível.
 
Segundo a agência Reuters, investigadores egípcios e russos vão começar a analisar, no ministério da aviação no Cairo, as duas caixas negras do avião, recuperadas ontem dos destroços.
 
Um avião russo com 224 pessoas a bordo despenhou-se na península do Sinai, Egito, após descolar da localidade turística de Sharm El Sheikh, matando todos os ocupantes. 

Veja também:  Estaremos realmente seguros quando viajamos de avião?

O destino do avião russo era  São Petersburgo. Praticamente todos os passageiros eram turistas. A nacionalidade dos passageiros já foi revelada: 214 russos e três ucranianos . Eram 138 mulheres, 62 homens e 17 crianças. As caixas negras do aparelho já foram encontradas.  

O ministro egípcio da Aviação Civil,  Mohamed Hossam Kemal, afirmou ontem que ainda era cedo " para determinar a causa do acidente", mas de acordo com a Reuters, que cita as autoridades egípcias as primeiras informações recolhidas apontam "para falha técnica". O avião terá caído numa posição vertical e os destroços espalharam-se num raio de cinco quilómetros.  

Apesar das autoridades russas não acreditarem na hipótese de atentado, o   Estado Islâmico diz ser o responsável pela queda do aparelho. 

Veja também:  Acidente com avião russo é o quarto desastre aéreo em 24 meses