O ex-chefe de Estado egípcio Hosni Mubarak foi ilibado de todas as acusações por um tribunal do Cairo.
 
Mubarak era, nomeadamente, acusado de ter ordenado a morte de manifestantes durante os protestos pró-democracia, em 2011 – e foi na sequência deste movimento de revolta que os egípcios conseguiram afastar Mubarak do poder.
 
O tribunal do Cairo, que julgou este caso, ainda declarou como inocentes Mubarak e o ex-ministro do petróleo, na acusação de exportarem gás para Israel.
 
No seguimento, o antigo presidente egípcio Hosni Mubarak afirmou nada ter feito de mal, pouco depois de um tribunal ter retirado as acusações contra si de cumplicidade na morte de manifestantes na revolução que o derrubou em 2011.

«Eu não fiz nada de mal», afirmou Mubarak, de 86 anos, numa entrevista por telefone à televisão a partir do hospital militar onde está a cumprir uma pena de três anos por corrupção, na sequência de um outro processo.

Além de retirar aquela acusação, o Tribunal Penal do Cairo absolveu o antigo presidente egípcio de uma acusação de corrupção.