A Irmandade Muçulmana pediu aos egípcios para saírem hoje às ruas do país, no dia da semana a que chamam de «sexta-feira dos mártires», provocando o temor de um surto de violência semelhante ao que ocorreu na semana passada.

A Aliança Nacional de Defesa da Legitimidade considera que os egípcios «não se curvarão» diante das «campanhas impiedosas e fascistas de detenções arbitrárias» sobre os líderes da Irmandade Muçulmana e de seus grupos apoiantes, e os seus partidários responderão ao apelo para marchar a partir das mesquitas do país.

Os islamitas também pediram aos seus seguidores que continuem a campanha de desobediência civil que foi lançada esta semana.