A Irmandade Muçulmana recusa-se a reconhecer o novo governo egípcio que tomou posse nesta terça-feira.



De acordo com Gehad al-Haddad, porta-voz do partido, está em causa um problema de legitimidade. «Não reconhecemos nem a legitimidade, nem a autoridade deste governo» formado cerca de duas semanas após a deposição do presidente Mohamed Morsi, membro da Irmandade.

O novo executivo é liderado pelo economista Hazem al-Beblawi, que assume o poder na sequência do golpe militar que depôs o islamista Mohammed Morsi, eleito nas primeiras eleições após a queda do regime de Hosni Mubarak.