Os ataques do Estado Islâmico no Sinai são cada vez mais ousados. Na quinta-feira, um navio patrulha da marinha egípcia foi atingido por um míssil quando estava a quase dois quilómetros da costa mediterrânica daquela península.

A filial do Estado Islâmico na região reivindicou o ataque através da rede social Twitter e publicou algumas fotos da ação. Nelas, é possível ver o míssil em voo, pouco antes de atingir o navio, bem como aquela que parece ser a explosão inicial, após o impacto.

Fontes dos serviços de segurança indicam que vários tripulantes ficaram feridos devido ao fogo que tomou o navio, enquanto outros foram forçados a lançar-se ao mar. A embarcação ficou a arder durante várias horas, até ser rebocada do local.

Segundo testemunhas, ainda houve uma troca de tiros   após o ataque, mas os membros do Estado Islâmico que dispararam o míssil conseguiram escapar.

Esta foi a primeira ação deste tipo levada a cabo pela Wilayat Sinai (Província do Sinai do Estado Islâmico), o que denota que o grupo não só tem acesso a armas cada vez mais poderosas e sofisticadas, como tem o treino necessário para as usar com eficácia.

Isso já tinha sido notório no início do mês, quando os extremistas lançaram um grande ataque coordenado contra várias instalações policiais e militares no Sinai, e que só a muito custo foi derrotado pelas forças egípcias, que sofreram dezenas de mortes.