O papa Francisco exprimiu esta segunda-feira a sua «profunda tristeza» pelo assassínio de 21 cristãos coptas egípcios na Líbia, decapitados pelos ‘jihadistas’ do grupo Estado Islâmico (EI), «apenas pelo facto de serem cristãos».

No final de um discurso por ocasião da visita de John Chalmers, alto responsável da Igreja da Escócia, o papa argentino juntou algumas palavras em espanhol para homenagear as vítimas do EI.

«Eles foram assassinados apenas pelo facto de serem cristãos. O sangue dos nossos irmãos cristãos é um testemunho de fé e pouco importa que sejam católicos, ortodoxos, luteranos, coptas: isso não interessa aos seus perseguidores, que veem apenas que eles são cristãos, porque o seu sangue é o mesmo, o seu sangue confessa o Cristo», disse.

«Vamos avançar no ecumenismo, que é testemunhado no ecumenismo do sangue. Os mártires pertencem a todos os cristãos», adiantou Francisco, que evoca regularmente cristãos de diversas obediências perseguidos em todo o mundo.

No domingo, o ramo líbio do EI divulgou um vídeo mostrando 21 homens com fatos de macaco cor de laranja - como os reféns assassinados na Síria e no Iraque - alinhados numa praia com as mãos nas costas, antes de serem decapitados.

Os coptas egípcios foram sequestrados na cidade de Sirte, no norte da Líbia.