A agência espanhola EFE avançou hoje que, pelo menos, 22 jornalistas estrangeiros foram sequestrados durante o último ano na Síria, muitos dos quais permanecem em cativeiro. Números denunciados pela organização Campanha Emblema de Imprensa (PEC, sigla em inglês).

Num comunicado, a organização não-governamental que promove a defesa dos direitos dos jornalistas condenou «nos termos mais fortes» o aumento do número de sequestros registados no território sírio, a maioria realizados por grupos armados.

De acordo com a PEC, 22 profissionais de comunicação social foram feitos reféns no território sírio durante o último ano: cinco norte-americanos, cinco italianos, três franceses, dois alemães, dois espanhóis, um húngaro, um mexicano, um palestiniano, um polaco e um ucraniano.