Alexis Tsipras e François Hollande querem que o acordo entre Atenas e os credores internacionais para um terceiro resgate fique fechado na segunda quinzena de agosto. O primeiro-ministro grego e o presidente francês estiveram juntos na cerimónia de inauguração do novo canal do Suez, no Egito, esta quinta-feira. Hollande falou em final de agosto, Tsipras refere que acordo deverá ser concluído “depois do dia 15 de agosto”.

Um comunicado do gabinete de Tsipras confirmou a intenção expressa neste encontro.

“Os dois líderes acordaram que as negociações podem e devem ser concluídas após 15 de agosto.”


Desta forma, haverá tempo para o acordo ser aprovado pelo parlamento helénico e ser efetuado o próximo pagamento na agenda, desta feita ao BCE, a 20 de agosto.

Ainda de acordo com o comunicado do governo grego, os dois líderes acordaram que tudo deve ser feito em prol da recuperação da economia grega.

“Também acordaram que tudo deve ser feito para a economia grega recuperar, especialmente após os efeitos da crise na banca.”


Por sua vez, François Hollande, em declarações aos jornalistas no Egito, sublinhou que o objetivo é que as negociações estejam concluídas no final do mês, mas admitiu que este é um prazo difícil de atingir.

“O objetivo é que as negociações estejam concluídas no final de agosot. Sabemos que é difícil, mas temos de nos certificar que reunimos as condições para o conseguir. Para já, acredito que a atmosfera [das negociações] é certa e as discussões estão a caminhar nas melhores direções.”


Na quinta-feira, Alexis Tsipras já tinha afirmado que as negociações estavam na reta final, durante uma visita ao Ministério da Agricultura em Atenas.

Contudo, da Alemanha surgem cenários mais pessimistas. O jornal Bild cita uma fonte do governo de Angela Merkel para dizer que um acordo “não é alcançável” dentro de duas semanas.
 
A bolsa de Atenas encerrou esta quinta-feira em alta, o que acontece pela primeira vez desde a sua reabertura, na passada segunda-feira, dia em registou uma queda histórica de 16,32%.

O Governo grego e representantes dos credores da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional estão a negociar desde a semana passada os contornos de um novo programa de assistência financeira ao país e as condições impostas à Grécia.