O acordo da Grécia com os credores europeus pode ser chumbado pelo Parlamento do país. Alexis Tsipras quer um voto de confiança da maioria que suporta o Governo no Parlamento, mas enfrenta críticas dentro do próprio Syriza.
 
Um dos elementos mais críticos é Alexis Mitropoulos, presidente do Parlamento grego e deputado do Syrisa. Mitropoulos diz que "o pacote não pode ser adotado" pelos deputados e fala em "carnificina social inaceitável".
 

"O primeiro-ministro tem que informar o povo sobre os motivos do falhanço nas negociações, porque é que o resultado é este e porque é que contraria os princípios da esquerda", disse Mitropoulos, em entrevista à televisão grega Mega TV.

 
As críticas surgem também do parceiro de coligação, os Gregos Independentes, da direita radical. O líder, Panos Kammenos, quer que Tsipras volte atrás em algumas das propostas entregues em Bruxelas. Se isso não acontecer, ameaça retirar o apoio ao governo.
 
O porta-voz do Governo, Gavriil Sakelaridis, já fez saber que, sem o apoio dos deputados da coligação, “a única saída são as urnas e o voto do povo”.

O Eurogrupo vai reunir-se esta quarta-feira a partir das 18:00 para discutir as propostas gregas e eventualmente chegar a um acordo que pode significar uma ajuda de 35 mil milhões para Atenas. 

A pouco mais de uma semana do fim do programa de resgate e da data limite para o pagamento de 1.6 mil milhões ao FMI, a Grécia deu um passo em frente nas negociações e conseguiu, finalmente, agradar aos credores internacionais, que parecem também ter  cedido em algumas exigências.  

Na manhã desta terça-feira, o comissário europeu Pierre Moscovici reforçou a ideia otimista de a Grécia e os credores estão muito próximos de um acordo. Também esta manhã o  Banco Central Europeu voltou a aumentar o  financiamento de emergência à banca grega pela quarta vez em menos de uma semana.  

No final da cimeira de líderes da Zona Euro, que se seguiu a um Eurogrupo, foi avançado que o mais certo é que o acordo final seja fechado numa nova reunião já marcada para esta quarta-feira, e que será apresentado na quinta.

Leia Mais:
De uma saída do euro a um acordo quase certo: as medidas chave