O parlamento espanhol aprovou hoje, com votos favoráveis dos principais partidos menos a Izquierda Unida (comunistas), o programa do terceiro resgate grego, uma aprovação que não é necessária à luz da lei espanhola.

A iniciativa de levar a debate no parlamento o mais recente resgate grego partiu do partido no Governo, o PP (direita, conservador) e foi acolhida pelos partidos da oposição como uma manobra eleitoralista.

Ao contrário de outros países (como a Alemanha, cujo parlamento vota na quarta-feira), em Espanha não é necessária a aprovação do parlamento para que o Governo em funções possa votar favoravelmente nas instituições europeias um programa de resgate a outro país, neste caso a Grécia.