Os bancos gregos vão permanecer fechados até segunda-feira, dia 13, mantendo-se o limite diário de 60 euros para levantamentos nas caixas multibanco, avançou a agência Reuters, que cita fonte do ministério das Finanças da Grécia.
 
Esta é a segunda vez que a data de reabertura dos bancos é adiada, depois de estar inicialmente previsto que a situação ficasse resolvida esta quarta-feira.
 
A presidente da associação dos bancos gregos, Louka Katseli, espera que desta vez a data prevista seja cumprida, e que os bancos reabram mesmo segunda-feira.
 

“São só dois dias, e esperamos que domingo seja um novo dia. Temos esperança que os bancos possam retomar o funcionamento normal a partir de segunda-feira".

 
As instituições bancárias estão fechadas desde 29 de junho, dois dias depois de o governo de Alexis Tsipras ter convocado o referendo sobre a proposta dos credores internacionais.
 
Já esta terça-feira foi marcada uma cimeira de líderes da União Europeia, de onde terá de sair uma decisão sobre a situação financeira do país. Os líderes vão decidir se aprovam um novo resgate à Grécia, já pedido por Alexis Tsipras, ou se a opção passará por um plano "B".
 

FMI reafirma que a dívida grega tem de ser reestruturada 


Com ou sem terceiro resgate, a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a afirmar que a solução para a questão grega terá de passar sempre por uma restruturação da dívida, algo que Alexis Tsipras também reafirmou hoje.
 
Segundo a Associated Press, Lagarde, que falou em Washington DC, não deixou, no entanto, de frisar que a Grécia terá de continuar as reformas e cortes na despesa.

“[Além dos cortes, tem de haver] uma reestruturação da dívida, que acreditamos ser fundamental no caso da Grécia para que ela tenha sustentabilidade. Essa análise não mudou. Talvez os números tenham de ser revistos, mas a nossa análise permanece a mesma”.