Chegou-se à frente. Após refletir com a mulher, Cari Tuna, Dustin Moskovitz decidiu ser a hora de fazer qualquer coisa para impedir o candidato republicano e milionário Donald Trump de se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos.

Assim, contra o que até lhe é habitual, o empresário sacou de 20 milhões do seu património calculado em mais de 10 mil milhões de dólares para apoiar várias organizações ligadas ao Partido Democrata.

Com o donativo de cerca de 17,8 milhões de euros, Moskovitz, de 32 anos, torna-se o terceiro mais generoso a contribuir para as campanhas presidenciais em curso, que têm as eleições do dia 8 de novembro como a meta final.

Talvez preocupado com algumas recentes sondagens que mostram a recuperação de Donald Trump junto do eleitorado, o co-fundador do Facebook decidiu agir e explicou a sua decisão num comunicado, que intitulou "Compelido a atuar".

Esta decisão não foi fácil, especialmente, porque temos reservas sobre qualquer um que utiliza grandes somas de dinheiro paar influenciar as eleições", escreve Moskovitz, adiantando que o "fantasma" de Trump foi determinante.

Esperamos que estes esforços ajudem a secretária de Estado Clinton a cumprir a agenda que delineou e sirvam também como sinal para o Partido Republicano, de que levando a cabo este tipo de campanha - construída sobre o medo e a hostilidade - e apoiando este candidato, força as pessoas a agir", justifica o empresário.

 

Repartição do bolo

Moskovitz não é conhecido por grande envolvimento na política, nem por ser um habitual contribuinte para campanhas. Para presidenciais, muito menos.

A Cari e eu temos dedicado as nossas vidas a tentar perceber como fazer o melhor com os recursos que temos. Até agora, isso não incluiu fazer donativos ou contribuições para eleições presidenciais", escreveu Moskovitz.

Até hoje, o empresário tinha apenas doado 5,2 milhões de dólares (4,6 milhões de euros) para apoiar Sean Eldridge, um político Democrata, candidato ao Congresso e marido do seu colega de quarto e também criador do Facebook, Chris Hughes. Agora, decidiu que derrotar Trump era uma obrigação.

O Partido Republicano, e Donald Trump, em particular, está a concorrer com uma visão míope e criando uma falsa disputa entre o seu eleitorado e o resto do mundo", defende Moskovitz.

Por tudo isto, lá se vão 20 milhões. Duas fatias de cinco milhões de dólares para duas organizações ambientais - a League of Conservation Voters e a For Our Future PAC - ligadas aos Partido Democrata e os restantes dez milhões para várias organizações particularmente envovlidas no apoio à candidatura de Hillary Clinton.

Uma campanha com gente generosa

Os 20 milhões de dólares doados tornam Moskovitz o terceiro que mais dinheiro ofereceu nesta campanha presidencial norte-americana. Ainda assim, o empresário não descarta a hipótese de meter mais algum dinheiro.

Mas até que isso eventualmente aconteça, na dianteira continua Tom Steyer, um multimilionário da Califórnia e ativista Democrata, que já adiantou mais de 30 milhões de dólares. Ou seja, quase 28 milhões de euros.

Do outro lado da campanha, do lado do multimilionário candidato republicano, surge Bob Mercer, que já descolou um pouco mais de 20 milhões de dólares.