Os irlandeses vão seguir o exemplo da Austrália, que já disponibiliza salas de chuto em Sydney, e criar espaços na capital irlandesa onde será possível consumir drogas, incluindo heroína e cocaína. O ministro justificou a medida, vincando que estudos mostram que estes centros têm estado associados a uma diminuição dos comportamentos de risco.

"Estudos mostraram que o uso de centros de injeção supervisionados está associado à redução de comportamentos de risco."

Depois de Dublin, a Irlanda quer estender a criação de espaços semelhantes a outras cidades, como Cork, Limerick e Glaway. 

O governante sublinhou ao jornal "The Irish Times" que é necessária uma mudança do paradigma cultural, que passe por apoiar os drogados, em vez de os envergonhar.

"Estou absolutamente convicto de que é preciso haver uma mudança cultural no modo como encaramos o abuso de substâncias, isto se quisermos quebrar este ciclo e fazer uma séria tentativa de combater as drogas e o alcoolismo."

Assim, o governo irlandês quer ir mais longe, descriminalizando o consumo de drogas duras em pequenas quantidades. Uma medida que, no entanto, só deverá ser implementada com o próximo executivo.

O ministro Aodhán Ó Ríordáin esclareceu que, com esta alteração na lei, o tráfico de droga continuará a ser proibido. Os consumidores é que deixarão de ser criminalizados pelo seu consumo.

As palavras do ministro vão ao encontro de um relatório publicado dia 19 de Outubro pelas Nações Unidas sobre drogas e crime, no qual se apela à descriminalização das drogas em todo o mundo.