O Ministro de Negócios Estrangeiros alemão apelou, esta segunda-feira, a um cessar-fogo na Ucrânia. Frank-Walter Steinmeier afirmou à Reuters que a situação nas regiões controladas pelos rebeldes na Ucrânia voltou a ser grave e que todos os lados devem respeitar o cessar-fogo acordado em Minsk a 5 de setembro.
 
«Infelizmente, a situação voltou a ser grave. Acho que temos de apelar a todos os envolvidos neste conflito, tal como aos do lado da Rússia, para voltarmos aos termos do protocolo de Minsk», afirmou Steinmeier no Cazaquistão.

Esta segunda-feira, várias colunas de armamento pesado foram avistadas por jornalistas da AFP em direção a Donetsk, bastião separatista pró-russo no leste da Ucrânia. Um jornalista disse ter visto 21 camiões, incluindo seis tanques e 14 peças de artilharia pesada, que seguiam em direção às posições rebeldes na linha da frente.

No domingo, Donetsk foi atacada pelo bombardeamento mais pesado no espaço de um mês e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa afirmou que uma coluna de blindados sem insígnias entrou em território rebelde, levando Kiev a afirmar que Moscovo reforçou a presença rebelde.

A acusação de violação de cessar-fogo é mútua, sendo que a Rússia nega ser parte do conflito e que tenha enviado tropas e armas para a Ucrânia de leste.

Os EUA e a União Europeia já se mostraram preocupados com a situação, com a chefe de política externa da UE, Federica Mogherini, a afirmar que é «imperativo» que se ponha fim à nova escalada de hostilidades, e a apelar à «contenção» de todas as partes.
 
«As últimas informações da missão especial de monitorização da OSCE [Organização para a Segurança e Cooperação na Europa] na Ucrânia referem a presença, em áreas separatistas, de carregamentos de armamento pesado, tanques e tropas sem insígnias, movimentando-se para ocidente, o que representa um desenvolvimento de grande preocupação», assinalou Mogherini.