O Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, considerou que "continuam a ser muito hostis e perigosas” para os Estados Unidos as palavras e ações da Coreia do Norte, após o ensaio nuclear deste domingo.

Em três publicações feitas na conta pessoal da rede social Twitter, Donald Trump afirmou que Coreia do Norte é uma “uma grande ameaça e fonte de embaraço para a China, que tem tentado ajudar sem sucesso".

 

Donald Trump acresentou que uma política de apaziguamento “não funciona” com a Coreia do Norte.

A Coreia do Sul está a compreender, como eu lhes disse, que a sua conversa de apaziguamento com a Coreia do Norte não funciona, eles só entendem uma coisa!“, afirmou o governante no terceiro ‘tweet’ hoje publicado.

O Governo dos Estados Unidos já está a avaliar a criação de novas sanções contra a Coreia do Norte, afirmou hoje o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Podemos fazer muito para isolá-los [à Coreia do Norte] economicamente, muito mais do que já fizemos", frisou Steven Mnuchin, numa entrevista à cadeia televisiva americana Fox.

O secretário do Tesouro adiantou que planeia criar um esboço com novas sanções contra o país e pô-lo à disposição do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que o analise.

A agência oficial norte-coreana, KCNA, assegurou que o país conseguiu desenvolver e testar com êxito uma bomba de hidrogénio, que foi carregado num dos seus novos projéteis intercontinentais, num teste que foi supervisionado pelo próprio líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

O mesmo meio de comunicação divulgou uma fotografia de Kim junto a uma suposta 'bomba H', acompanhado por cientistas nucleares e altos oficiais do Departamento da Indústria de Munições do Partido Central dos Trabalhadores, apesar de, como é habitual, não ter dado detalhes sobre o local nem a data do acontecimento.

Coreia do Sul, China, Rússia, EUA e União Europeia já condenaram o teste nuclear.