O presidente dos Estados Unidos defende que o atacante que causou a morte a oito pessoas em Manhattan, em Nova Iorque, deveria ser condenado à pena de morte.

“O terrorista de Nova Iorque estava contente quando pediu para que a bandeira do Estado Islâmico fosse pendurada no seu quarto no hospital. Ele matou oito pessoas e feriu gravemente 12. Deve ser condenado à pena de morte!”, escreveu Donald Trump no Twitter.

O presumível autor do ataque, Sayfullo Saipov, de 29 anos, natural do Uzbequistão, que investiu a carrinha contra quem passava numa ciclovia movimentada em Manhattan, foi formalmente acusado de terrorismo.

Entretanto, o FBI localizou um outro homem, também oriundo do Uzbequistão, que pode estar ligado ao ataque ou, pelo menos, ao principal suspeito.

A reação de Trump a este ataque tem sido bastante diferente daquela que teve, por exemplo, aquando do tiroteio que matou dezenas de pessoas em Las Vegas, quando atribuiu a atitude do atirador à sua "demência". 

Desta vez, o presidente norte-americano aproveitou para pedir o fim do Programa de Lotaria de Vistos de Diversidade, que existe no país desde 1991 e que consiste na distribuição anual de cerca de 50.000 vistos em países onde a imigração para os Estados Unidos é baixa. Foi através deste programa que Sayfullo Saipov entrou nos Estados Unidos.

Donald Trump admitiu ainda que gostaria de enviar o atacante para a prisão de Guantánamo.