O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, prometeu reconhecer Jerusalém como a capital “indivisa” de Israel se for eleito Presidente dos EUA em novembro, num encontro com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Trump reconheceu que Jerusalém tem sido a eterna capital do povo judeu há mais de três mil anos e que os Estados Unidos, sob a administração Trump, vão finalmente aceitar o mandato de longa data do Congresso para reconhecer Jerusalém como a capital indivisa do Estado de Israel”, indicou a sua campanha em comunicado.

Israel apoderou-se de Jerusalém oriental na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e mais tarde anexou a área maioritariamente árabe, declarando a totalidade da cidade como a capital unificada do país, uma ação nunca reconhecida pela comunidade internacional.

Netanyahu também se reuniu com a candidata democrata Hillary Clinton. A ex-secretária de Estado reafirmou o compromisso de manter uma relação próxima entre os EUA e Israel e da necessidade de encontrar uma solução a dois para o conflito israelo-palestiniano.