O presidente dos Estados Unidos afirmou na terça-feira que não é “um fã” de Bashar al-Assad, prometendo que o presidente sírio irá responder pelos seus “horríveis” crimes, nomeadamente por ter atingido a sua população com armas químicas.

Donald Trump recebeu na Casa Branca o primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, junto de quem denunciou a “ameaça” que o grupo xiita libanês Hezbollah, apoiado pelo Irão, representa para o Médio Oriente.

Questionado, numa conferência de imprensa, sobre o presidente sírio e o seu país, fustigado pela guerra há seis anos, Trump respondeu: “Não sou um fã de Assad, ok?".

Trump lembrou que ordenou um ataque com mísseis contra o Governo de Assad pelo uso de armas químicas.

"Não vou ficar a ver enquanto ele tenta passar incólume depois do que fez", afirmou.