O presidente norte-americano, Donald Trump, disse esta segunda-feira que espera conseguir um relacionamento “extraordinário” com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, no início da sua cimeira em Helsínquia.

Penso que teremos um relacionamento extraordinário (…). O bom entendimento com a Rússia é uma coisa boa, não uma coisa má”, declarou Trump sentado ao lado de Putin, adiantando crer que “o mundo quer” que os dois se deem bem.

Os dois chefes de Estado reuniram-se no Palácio Presidencial em Helsínquia, no centro da capital finlandesa, que tem uma longa tradição no acolhimento de cimeiras Leste-Oeste.

Estou muito satisfeito por o encontrar”, disse Putin.

Chegou a altura de falar longamente, tanto das relações bilaterais como dos diferentes pontos de tensão no mundo e são bastantes para lhes prestarmos atenção”, assinalou o presidente russo.

Os conflitos na Síria e na Ucrânia, o desarmamento nuclear e a suposta interferência de Moscovo nas eleições dos Estados Unidos devem ser discutidos pelos dois líderes, que têm previsto um encontro privado seguido de um almoço de trabalho e de uma conferência de imprensa.

Trata-se da quarta vez que presidentes norte-americanos e russos se encontram na capital da Finlândia depois de Gerald Ford e Léonid Brejnev (1975), George Bush e Mikhail Gorbatchev (1990) e Bill Clinton e Boris Ieltsin (1997).