O presidente norte-americano, Donald Trump, surpreendeu no final desta quarta-feira, ao afirmar, após a reunião com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, ter havido um acordo para a redução das barreiras comerciais.

 

Concordamos hoje, em primeiro lugar, em trabalhar juntos para eliminas taxas, eliminar as barreiras tarifárias e alcançar o fim dos subsídios aos produtos industriais não-automóveis", afirmou Trump.

Donald Trump anunciou ainda que, Estados Unidos e Europa, irão trabalhar "para reduzir as barreiras e aumentar o comércio de serviços, produtos químicos, farmacêuticos, médicos, bem como de soja".

Numa declaração após a reunião, Trump assumiu que ambos os lados concordaram em suspender, por enquanto, as tarifas que ameaçavam criar uma guerra comercial, enquanto as negociações irão prosseguir.

Este foi um dia grande para o comércio livre e justo", disse o presidente norte-americano.

Com o princípio de acordo alcançado fica suspenso o conflito comercial entre Washington e Bruxelas que já tinha motivado taxas alfandegárias punitivas mútuas. Estados Unidos e União Europeia assumiram pretender avançar para o fim das taxas alfandegárias nas suas trocas industriais, exceção feita ao setor automóvel.

A União Europeia irá aumentar “imediatamente” as suas importações de soja provenientes dos Estados Unidos e Trump prometeu rever a questão das taxas alfandegárias que estão a ser aplicadas ao aço e alumínio europeus.

"Fizemos um acordo hoje"

Já o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, segundo a agência de notícias AP, afirmou no Rose Garden que “tinha a intenção de fazer um acordo hoje e nós fizemos um acordo hoje”.

Juncker adiantou que, após a longa reunião com Trump, a União Europeia decidiu aumentar as importações de soja e gás natural liquefeito: "Isso será feito".

O presidente da Comissão Europeia confirmou ainda que, enquanto as negociações com os Estados Unidos estiverem em andamento, "vamos adiar a imposição de mais tarifas" e serão reavaliadas as existentes sobre aço e alumínio.

Juncker afirmou ainda à imprensa que a "maior concessão" dos Estados Unidos foi o acordo para não aumentar as tarifas sobre os automóveis e peças europeus.

As tréguas comerciais e o entendimento anunciado por Donald Trump, após medidas e ameaças de guerra comercial face à Europa e a outros mercados, foram já saudadas pelo ministro alemão da Economia, Peter Altmaier.

Parabéns, Juncker e Donald Trump. O avanço conseguido pode evitar a guerra comercial e salvar milhões de empregos! Excelente para a economia global", escreveu o ministro na rede Twitter.

 

 

e ~ºao da