O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, afirmou esta segunda-feira que o tiroteio no Texas, que causou 26 mortos, não evidencia problemas relacionados com o acesso a armas de fogo, mas sim que o autor do ataque tinha problemas mentais.

A saúde mental é o problema aqui (…) Não se trata de uma questão ligada às armas”, declarou numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, em Tóquio.

Donald Tump classificou o ataque no Texas como “horrendo” e "diabólico".

Os nossos corações estão partidos. Unimo-nos, damos as mãos (…) e apesar das lágrimas e da tristeza, mantemo-nos fortes”, disse Trump, em Tóquio. “Este ato diabólico ocorreu quando as vítimas e as suas famílias estavam num local sagrado”, sublinhou.

A reação do presidente norte-americano surge horas depois de, no domingo, um homem armado de 26 anos ter abatido a tiro 26 pessoas e ferido dezenas num ataque a uma igreja batista no estado do Texas. O tiroteio ocorreu na "First Baptist Church", em Sutherland Springs, a 45 quilómetros a sudeste da cidade de San Antonio, cerca das 11:30 (17:30 em Lisboa). No momento dos disparos decorria uma missa.