O presidente dos Estados Unidos da América (EUA) voltou aos insultos no Twitter e elevou-os, na quinta-feira, a outro nível. Os alvos de Donald Trump foram os anfitriões do programa "Morning Joe", da MSNBC, que têm criticado a presidência.

O presidente norte-americano chamou “louca burra” à apresentadora de informação Mika Brzezinski e ironizou ao dizer que a viu "a sangrar da cara por causa de uma operação plástica.” Donald Trump também insultou o coapresentador Joe Scarborough, a quem chamou “psicopata”. Além disso, o chefe de Estado assegurou que os dois jornalistas foram "três noites seguidas", na época do Ano Novo, ao resort Mar-a-Lago, na Florida, de que é proprietário.

Ouvi dizer que o programa com poucas audiências Morning Joe fala mal de mim (deixei de ver!). Então porque é que a Mika louca e com um QI baixo e o Joe psicopata foram ao resort Mar-a-Largo, na altura do ano novo, três noites seguidas e insistiram em juntar-se a mim? Ela estava a sangrar da cara por causa de uma operação plástica. Eu disse não!".

 

 

De acordo com a imprensa norte-americana, Donald Trump até mantinha uma relação cordial com os Mika Brzezinski e Joe Scarborough durante as eleições primárias, mas começou a atacar os pivôs durante a campanha presidencial, acusando-os de ser injustos. No “Morning Joe”, os dois conhecidos apresentadores de informação costumam fazer críticas ao presidente. As mais recentes aconteceram na sequência da notícia publicada pelo jornal The Washington Post sobre capas falsas da revista Time, com a fotografia de Trump, emolduradas e penduradas nas paredes de alguns clubes de golfe de que o magnata e presidente norte-americano é proprietário.

Os insultos de Donald Trump aos dois jornalistas geraram um coro generalizado de críticas. Em Washington, não só Partido Democrata, mas também o Partido Republicano sublinhou que Donald Trump tem um comportamento que não é digno de um presidente.

Obviamente, não vejo isso como um comentário apropriado", disse na quinta-feira o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, quando os jornalistas o questionaram sobre o tema durante a conferência de imprensa semanal.

"O que estamos a tentar fazer aqui é melhorar o tom, a civilidade do debate, e isso obviamente não ajuda a fazer isso", acrescentou Ryan.

As redes sociais incendiaram-se após os insultos do presidente, com membros do próprio partido de Donald Trump a referirem que o comportamento do chefe de Estado "não é normal" e  "representa o que há de errado na política americana, não a grandeza dos Estados Unidos".

 

 

 

Já a Casa Branca, saiu em defesa de Donald Trump. Em conferência de imprensa na quinta-feira, a porta-voz Sarah Huckabee Sanders explicou que o presidente só se estava a defender de ataques pessoais contínuos dos “média liberais”.

Não podem esperar que, com tantos ataques e tão intensos dirigidos a um presidente, ele nunca responda", defendeu. Os eleitores "sabiam o que o esperar quando elegeram Donald Trump", acrescentou.

A porta-voz da Casa Branca elogiou ainda o presidente, dizendo que é "lutador" e um homem “inteligente” e “rijo”.

​Já a apresentadora insultada, Mika Brzezinski, recorreu a cereais para “dar o troco” ao presidente norte-americano. Numa aparente resposta a Trump, Mika publicou no Twitter uma fotografia de uma caixa de cereais com a frase "Feito Para Mãos Pequenas".

O tweet é entendido como uma referência direta às mãos pequenas de Donald Trump, que são ridicularizadas com frequência e apontadas como exemplo da pequenez moral, ética, cívica e política do atual inquilino da Casa Branca.