O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, advertiu esta sexta-feira que, caso não consiga corrigir as “falhas” do acordo nuclear com o Irão através da ação do Congresso ou de negociações internacionais, vai abandonar o pacto.

Caso não alcancemos uma solução, o acordo será cancelado”, disse o chefe de Estado norte-americano, numa declaração a partir da Casa Branca para anunciar a estratégica da atual administração dos Estados Unidos em relação ao Irão e o acordo sobre o programa nuclear iraniano alcançado em 2015.

Apesar de manter o acordo, Trump afirmou que recusa-se a certificar o acordo, que qualificou como “um dos piores”. E insistiu que Teerão não respeita o espírito do documento.

A ameaça feita por Donald Trump já recolheu o apoio de israelitas e sauditas e a crítica de outras potências ocidentais, da Federação Russa e de Teerão.

O homólogo iraniano, Hassan Rohani, já reagiu, afirmando que o acordo é “muito mais forte” do que Trump acredita e que os EUA “estão mais isolados do que nunca contra o povo iraniano”.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, saudou a “decisão corajosa” de Trump, por não certificar o acordo.

Se o acordo [nuclear] com o Irão ficar como está, uma coisa é certa: dentro de alguns anos, o pior regime terrorista vai dispor de um arsenal de armas nucleares, o que constitui um perigo enorme para o nosso futuro coletivo”, disse Netanyahu.

Já de Riade, em comunicado, o Governo saudita afirma que “apoia e saúda a estratégia firme proclamada pelo Presidente Trump em relação ao Irão e à sua política agressiva”.

Pelo contrário, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, destacou que Trump “não tem” o poder de acabar com o acordo.

O presidente dos EUA tem muitos poderes, mas este não”, declarou.

Também os executivos de França, Reino e Alemanha já divulgaram, em comunicado conjunto, que continuam “empenhados” no acordo com o Irão.

Da mesma forma, os dirigentes de Moscovo consideram o acordo “intacto” e criticaram a posição de Trump.

Em declaração feita hoje, na Casa Branca, Trump disse: “Caso não alcancemos uma solução, o acordo será cancelado”, ao anunciar a sua estratégica em relação ao Irão e ao acordo nuclear alcançado em 2015.

Apesar de manter o acordo, Trump afirmou que recusa-se a certificá-lo, qualificando-o como “um dos piores” e insistindo que Teerão não respeita o espírito do documento.

O acordo nuclear entre o Irão e o grupo de países 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China – e a Alemanha) foi alcançado em julho de 2015 em Viena, ainda sob a alçada da administração do Presidente Barack Obama (democrata).

O acordo foi assinado com o objetivo de garantir a natureza exclusivamente pacífica do programa nuclear iraniano.

Desde que entrou em vigor, a 16 janeiro de 2016, a administração americana certifica-se, a cada 90 dias, perante o Congresso, de que Teerão está a respeitar os termos acordados e se o pacto favorece o “interesse nacional” dos Estados Unidos.

Essa certificação é feita ao abrigo de uma lei aprovada pelo Congresso, conhecida pela sigla INARA.