O republicano Rudy Giuliani afirmou que Donald Trump já não quer deportações em massa de imigrantes ilegais nos Estados Unidos. Numa entrevista à CNN, o antigo mayor de Nova Iorque disse que o candidato à Casa Branca não tenciona desfazer as famílias de imigrantes que vivem há vários anos no país.

“Seria muito, muito difícil para ele [Donald Trump] deportar uma família que está aqui há 15 anos com três filhos, dois deles já cidadãos norte-americanos. Não é essa a América que ele quer.”

As declarações de Giuliani surgem depois de, num comício em Phoenix, na semana passada, Trump ter apresentado dez medidas fundamentais para combater a imigração ilegal. Fazem parte deste conjunto de propostas a construção de um muro na fronteira com o México e a deportação de todos os imigrantes ilegais que já cometeram crimes em solo norte-americano.

“Para todos os que estão aqui ilegalmente e que procuram ficar cá de forma legal, só haverá um e apenas um caminho: regressarem a casa e candidatarem-se pelas vias legais de um novo sistema de imigração”, afirmou Trump, em Phoenix.

Mas o republicano e apoiante de Trump Rudy Giuliani relativizou estas medidas. Em entrevista à CNN, Giuliani destacou que as propostas visam apenas os imigrantes ilegais que são também "criminosos", fazendo uma distinção entre estes imigrantes e os que nunca cometeram crimes nos Estados Unidos.

As palavras do antigo mayor de Nova Iorque não convencem, porém, os democratas, que interpretam as suas declarações como uma manobra de “contorcionismo”.

Nem os democratas nem os republicanos que ainda não manifestaram apoio ao candidato dos republicanos. Como é o caso do senador do Arizona, Jeff Flake, que rejeitou a ideia de que Trump tenha "amolecido". Flake acrescentou, também em entrevista à CNN, que, neste discurso em Phoenix, Trump ainda não explicou com clareza o caminho que quer seguir.

O comentário de Flake não passou despercebido a Trump, que respondeu no Twitter, como é, de resto, seu hábito.

“O Partido Republicano precisa de líderes fortes e comprometidos, e não de pessoas frágeis como Jeff Flake, se quer parar a imigração ilegal.”

 

Durante as primárias do Partido Republicano, por várias vezes Trump abordou o tema dos imigrantes nos Estados Unidos com propostas polémicas. Uma das que colocou em cima da mesa passa por deportar os cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais no país.

E foi com estas propostas que o magnata que fez fortuna no setor imobiliário conseguiu a nomeação pelo Partido Republicano.

A partir daí, Trump tinha duas formas de prosseguir a corrida à Presidência: insistir nas medidas polémicas que agradam à ala mais conservadora do partido ou recuar em determinados pontos para conseguir chegar aos moderados que não se revêm no candidato.

Muito se especulou que o milionário republicano teria recuado nas questões mais sensíveis como é o caso da imigração. Mas em Phoenix, Trump acabou com as dúvidas e assinalou claramente a sua escolha, insistindo nas ideias anti-imigração que o fizeram chegar até aqui.