As regras impostas pela organização da Convenção Nacional Republicana de Cleveland, nos Estados Unidos, têm dado que falar. O evento de Donald Trump, que terá início a 18 de julho, impede a posse de “armas” como garrafas de vidro, latas de refrigerantes, pistolas de água e pistolas de paintball, mas permite que sejam levadas armas verdadeiras, de fogo, para o recinto onde terá lugar a convenção.

O grande problema surge quando muitas das pessoas que pretendem aderir ao evento, pretendem também exercer o direito de terem consigo armas de fogo, direito que lhes é assegurado legalmente em Estados como o de Ohio. Esta situação é preocupante, especialmente após os confrontos violentos que se têm sucedido nos comícios de Trump ao longo deste ano e de todo o país.

Podem levar a minha corda e a minha fita-cola, mas não me podem tirar a minha arma”, disse Tim Selaty, coordernador da Citizens for Trump, o conjunto de grupos de apoio ao candidato republicano à presidência.

Assim, Dan Williams, representante da cidade de Cleveland, confirmou à US News que as armas de fogo serão permitidas dentro da área do evento:

É isso que nós temos que respeitar: a lei estadual.”

A lei federal “autoriza os Serviços Secretos a impedir armas de fogo de entrar nos locais frequentados por aqueles que protegemos” e só a aplicação da lei “em conjunto com os Serviços Secretos podem levar a que seja permitido transportar uma arma de fogo para dentro de um local protegido”, indicou um porta-voz dos Serviços Secretos no início deste ano ao The Washington Post.

Assim, só no local específico onde decorre a convenção, a Quicken Loans Arena, são também proibidas as armas de fogo – em todos os outros 2,7 quilómetros quadrados de área onde vai decorrer o evento, estas armas serão permitidas. Fora da Quicken Loans Arena, protegida pelos Serviços Secretos, Selaty afirma que existem motivos para acreditar que vai ser necessária uma prevenção contra a violência, uma vez que vão coexistir no mesmo espaço diversos grupos controversos.