A candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, afirmou esta quinta-feira que o seu rival republicano, Donald Trump, pode ter violado as leis norte-americanas ao explorar oportunidades de negócio em Cuba em 1998.

Hoje ficámos a saber dos seus esforços para fazer negócios em Cuba que parecem violar as leis dos Estados Unidos e que, sem dúvida, ridicularizam a política externa norte-americana”, declarou Clinton, aos jornalistas.

A antiga secretária de Estado criticou ainda Trump por ter “enganado repetidamente as pessoas ao responder a perguntas sobre se estava a tentar fazer negócios em Cuba”.

 

A candidata partilhou uma ligação no Twitter para uma investigação da revista Newsweek, que revela documentos que mostram que executivos do grupo de Hotéis e Casinos de Trump gastaram 68 mil dólares (cerca de 60 mil euros) em Cuba, em 1998, com o conhecimento do magnata, altura que os negócios na ilha estavam proibidos.

Trump agiu "contra os interesses da nação, para beneficiar os próprios bolsos", excreveu Hillary Clinton.

O candidato republicado já reagiu à polémica e garante que nunca efetuou quaisquer negócios na ilha.

"Não, nunca fiz nada em Cuba. Nunca fiz negócios em Cuba", disse Trump, segundo o Telegraph.