Cerca de três mil pessoas protestam este sábado nas ruas de Edimburgo contra a visita do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

De acordo com as autoridades locais, citadas pela agência AP, pelas 13:00, cerca de três mil pessoas concentraram-se junto ao parlamento escocês, em Edimburgo, empunhando cartazes e faixas anti-Trump.

O protesto seguirá ainda para o consulado americano.

Donald Trump vai passar o fim de semana na Escócia, enquanto se prepara para a cimeira com o Presidente russo, Vladimir Putin, que irá decorrer na segunda-feira, em Helsínquia, na Finlândia.

Cheguei à Escócia e vou estar no Trump Tumberry para dois dias reuniões, telefonemas e, espero, algum golfe”, disse o Presidente norte-americano, através da rede social ‘Twitter’.

Veja também:

A última vez que Trump visitou a Escócia foi em 2016, poucas horas depois do Reino Unido ter votado a favor a saída da União Europeia (‘Brexit’).

Donald Trump iniciou a primeira visita ao Reino Unido, como Presidente dos Estados Unidos, na quinta-feira, com o 'Brexit', o comércio bilateral, a política externa e a segurança global a serem os assuntos mais marcantes na agenda.

Na sexta-feira, em Londres, Trump garantiu que mantém uma relação “muito sólida” com a primeira-ministra britânica, Theresa May, apesar de ter criticado numa entrevista a negociação do ‘Brexit’.

"A relação é muito, muito sólida, temos uma ótima relação", garantiu Donald Trump, sentado ao lado de Theresa May.

Trump falava à chegada a Chequers Court, a casa de campo da chefe de Governo, onde os dois vão ter um almoço de trabalho e discussões bilaterais, concluída com uma conferência de imprensa.

No entanto, em entrevista ao jornal The Sun, na sexta-feira, Trump disse que a estratégia de May para o ‘Brexit’ "provavelmente mataria" um acordo de livre comércio entre Washington e Londres.

Trump elogiou também o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson, considerando que seria "um grande primeiro-ministro", poucos dias após a demissão do político britânico em divergência com May sobre o ‘Brexit’.

A entrevista desencadeou uma série de ataques de todos os espetros políticos, incluindo da deputada do partido Trabalhista Emily Thornberry, que mostrou solidariedade com a líder do partido Conservador.