Quarta-feira, à hora de almoço, um Tupolev Tu-154M da força aérea russa sobrevoou numa ação de vigilância diversos edifícios da administração na capital norte-americana, casos da residência oficial do presidente, a Casa Branca, do Capitólio, onde se reúnem os parlamentares, a sede da CIA, o Pentágono, quartel-general do departamento de Defesa, a base militar de Andrews e até a presidencial propriedade oficial de férias em Camp David, onde Donald Trump nem sequer está.

Segundo a cadeia de comunicação CNN, até o bunker Mount Weather foi sobrevoado pelo avião espião russo, que tem condições para tirar fotografias aéreas, fazer imagens térmicas e até decifrar sinais de comunicações.

O Tupolev Tu-154M voou baixinho, a cerca de 3.500 pés, pouco mais do que mil metros de altitude, num trabalho inspetivo que está acordado entre Estados Unidos e Rússia, desde o final do período que ficou conhecido como Guerra Fria, no século passado.

Estas missões sucedem-se numa base semi-rotineira", confirmou um oficial do Pentágono, citado pelo site Politico, referindo que os russos avisaram sobre a realização do voo com, pelo menos, 72 horas de antecedência e que a bordo vão também observadores norte-americanos.

O voo do avião russo terá sido o décimo este ano. E nos últimos 15 anos, Estados Unidos e Rússia terão levado a cabo umas 165 operações autorizadas de vigilância deste género.

A permissão para voos de vigilância advém do Tratado Céus Abertos (Open Skies), assinado entre Rússia e Estados Unidos, em 1992. Na prática, o acordo entrou em vigor em 2002 e engloba 42 países, entre os quais, Portugal.

Normalmente, eles vêm e listam os sítios que querem sobrevoar. Estabelecemos juntos o plano de voo e com algumas exceções - de segurança ou atmosféricas - são autorizados a voar sobre a maior parte do território", esclareceu o oficial do Pentágono.

Férias de Trump

O avião russo terá partido de Moscovo na quarta-feira cedo, passou pela capital da Islândia, Reiquiavique, antes de entrar em território norte-americano, pelo estado da Virgínia.

Sempre a baixa altitude, fez vários sobrevoos na área metropolitana da capital norte-americana, Washington, por volta da hora do almoço. À tarde, resolveu também passar por outros estados como o Ohio, Pensilvânia e Nova Jérsea.

Entre as 5:00 e as 6:00 da tarde, o Tupolev Tu-154M sobrevoou Bedminster, onde fica um dos clubes de golfe de Donald Trump e este se mantém, gozando as suas férias de verão. 

Numa altura de relações mais azedas entre Estados Unidos e Rússia, devido ao reforço de sanções por causa do conflito com a Ucrânia, por causa da Crimeia, a que Moscovo respondeu com as expulsão de 755 diplomatas norte-americanos, desconhece-se o real interesse do avião no local de férias de Trump, sendo que o oficial do Pentágono acabou por confirmar o sobrevoo ao site Politico. Mesmo reconhecendo, "não conheço nenhuma instalação militar por ali".