Milhares de pessoas saíram à rua, este sábado, nos Estados Unidos, contra a linha dura da política de imigração e Donald Trump. Um pouco por todo o país, pediu-se o fim da polícia migratória (A ICE –Immigration and Customs Enforcemente), o fim da detenção de famílias que entrem ilegalmente no país e a reunião das famílias separadas.

Estamos em protesto em Washington DC e em todo o país", afirmaram os organizadores da manifestação "Families Belong Together" (As famílias devem ficar juntas, em português), na sua página da internet.

A cantora Alicia Keys, a atriz America Ferrera e o dramaturgo de origem porto-riquenha Lin-Manuel Miranda conduziram desde o palco a concentração que segundo os organizadores reuniu 30.000 pessoas no centro de Washigton, enquanto outras 750 cidades por todo o país organizavam protestos similares.

A nossa democracia está em jogo. A nossa humanidade está em jogo. Estamos aqui para salvar a alma da nossa nação”, disse Alicia Keys num emotivo discurso.

Keys e Ferrera, descendente de imigrantes hondurenhos, leram as histórias verdadeiras de uma mão separada do filho e de um avô cuja petição para acolher e cuidar da própria neta foi recusada pelas autoridades norte-americanas.

Esta luta não pertence a um grupo de gente, a uma cor, a um género. Pertence-nos a todos”, afirmou Ferrera, conhecida pela sua interpretação em diversas séries televisivas, citada pela agência noticiosa Efe.

Os manifestantes exigiram o regresso às suas famílias às 2.300 crianças que foram separadas desde abril no âmbito da política de “tolerância zero” imposta pelo Presidente Donald Trump e que implica a imposição de processos criminais aos imigrantes provenientes do sul que atravessem a fronteira.

No decurso da concentração foi exigida o fim desta política e dos “campos de detenção” para imigrantes, onde o Presidente dos EUA pretende manter durante longos períodos os menores indocumentados e as suas famílias.

A partir do palco, o ator e compositor Lin-Manuel Miranda interpretou uma canção de embalar em homenagem às crianças separadas das suas famílias, e pediu aos participantes para que não desistam “até que esses pais possam voltar a cantar aos seus filhos canções de embalar”. ´

Numa tentativa de deter o fluxo de dezenas de milhares de migrantes na fronteira com o México, Donald Trump ordenou, em maio, a prisão dos adultos que entram no país de modo ilegal, incluindo aqueles que solicitam asilo. Como resultado desta política de “tolerância zero”, mais de duas mil crianças foram separadas das famílias e mantidas em jaulas, provocando a indignação da comunidade internacional.

Mais de 500 mulheres, incluindo uma congressista e a atriz Susan Sarandon, foram detidas na quinta-feira no complexo do Capitólio durante um protesto contra a política migratória de Trump.