O Procurador de Dallas, no Texas, Craig Watkins, quer imputar responsabilidade criminal a Thomas Eric Duncan, um cidadão liberiano contagiado com Ébola, considerando que este expôs a população norte-americana ao vírus «conscientemente».

«Estamos a analisar se Duncan expôs a população ao vírus de forma intencional ou conscientemente», disse Debbie Denmon, porta-voz da Procuradoria de Dallas, em declarações ao jornal «The Washington Post».

«Uma pessoa não pode simplesmente entrar num avião, mentir no formulário de viagem, chegar aos Estados Unidos e mentir no documento médico», afirmou.

Medidas mais apertadas no controle aos viajantes

Também por causa do Ébola, os Estados Unidos vão anunciar medidas mais apertadas de controlo sobre viajantes internacionais, precisamente para impedir que o vírus se espalhe no país.

Desde que foi detetado o primeiro caso de Ébola nos Estados Unidos, há uma semana – precisamente o homem liberiano que chegou ao Texas no dia 20 de setembro sem mostrar sintomas - que o Congresso tem vindo a exigir um controlo mais apertado de quem entra e sai do país.

«Tal como o Presidente disse terça-feira, estamos a olhar arduamente para aquilo que podemos fazer para aumentar a segurança dos americanos, e nos próximos dias vamos anunciar que novas medidas serão adotadas», disse Tom Frieden, diretor do Centro para o Controle e Prevenção da Doença.

Erros em cadeia levaram ao contágio em Espanha

Cinco erros em cadeia podem ter sido responsáveis pelo primeiro caso de contágio pelo vírus do Ébola fora de África, incluindo a aplicação inadequada dos protocolos vigentes, segundo relata esta quarta-feira a imprensa espanhola.

O jornal ABC refere que o contágio da auxiliar de enfermagem pode ter ocorrido quando a mulher tocou a cara depois de passar com a mão no seu uniforme.

Poderá igualmente não ter sido seguida a diretriz que define a necessidade de haver sempre uma pessoa a observar quando qualquer funcionário de saúde sai do quarto do paciente.