O número de mortos causados pelo vírus do ébola no distrito de Montserrado, na Libéria, pode ultrapassar os 90 mil, a meio de dezembro, se não forem feitos esforços internacionais para conter o vírus.

As conclusões são de um estudo publicado na revista «The lancet Infectious Diseases», que aponta que se não forem tomadas medidas adequadas, quando chegarmos a 15 de dezembro, mais de 171 mil pessoas terão sido infetadas, 90 mil das quais acabarão por morrer.


A investigação estima que apenas 42.662 casos e 27.175 mortes terão sido reportados oficialmente nesta data.
Um dos investigados da Universidade de Yale, responsável pela investigação, afirma que a «janela» para conter a epidemia está a «fechar-se».

«As nossas previsões sublinham que a janela de oportunidade para conter o vírus está a fechar-se, e adverte para a quantidade catastrófica de novos casos de ébola e mortes nos próximos meses», disse Alison Galvani, professor de epidemiologia em Yale.

Segundo o «International Business Times», a investigação baseou-se num modelo matemático que avalia a habilidade das intervenções feitas em Montserrado para conter a doença durante vários períodos, que se provou insuficiente. 

Os responsáveis pelo estudo recomendam 4800 camas adicionais para os centros de tratamento, aceleração na deteção de infeções e distribuição de kits para preventivos para usar em casa.

Segundo os investigadores, quase 98 mil casos de infeção podem ser evitados se as medidas recomendadas forem aplicadas até 31 de outrubro. Se tivessem sido aplicadas até 15 passado, evitar-se-iam mais de 137 mil.