A Rússia não quer uma economia fechada e não mudará o modelo de desenvolvimento, apesar das sanções impostas pelos ocidentais pelo papel de Moscovo na crise ucraniana. O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, declarou, esta sexta-feira, que a alteração do modelo não é apropriada, noticia a Reuters.

«Considero todas as discussões sobre uma mudança fundamental do modelo de desenvolvimento do país para uma economia fechada como inapropriadas e inúteis. Não precisamos de uma economia desse tipo», declarou Medvedev durante um fórum em Sotchi dedicado aos investimentos.

«Não mudaremos de via», adiantou. O primeiro-ministro russo sublinhou que, «apesar das sanções, as portas russas continuam abertas para os parceiros ocidentais».

Dmitri Medvedev referiu que metade das trocas comerciais da Rússia são com a União Europeia e que cerca de 60% dos investimentos russos têm como destino os 28. «Para os consumidores europeus, a Rússia continua a ser o principal fornecedor de energia», sublinhou.

«É óbvio que não se pode falar com o nosso país, tal como com outros países, através da chantagem económica», disse o chefe de Governo, numa referência às sanções ocidentais.

Dmitri Medvedev salientou que a Rússia é o maior país do mundo com uma população de 150 milhões de pessoas, algo que «não se pode ignorar».

Quanto às sanções impostas pela Rússia ao Ocidente, Medvedev realçou que não foi Moscovo que começou o «confronto».