“Os participantes divorciados, separados ou viúvos tinham 40% mais probabilidades de morrer ou de desnvolver qualaquer sequela, durante os primeiros dois anos após uma cirurgia cardíaca, por comparação com os participantes que eram casados.”