O Papa Francisco indicou esta segunda-feira, num discurso proferido no Vaticano, aquilo que classificou de 15 «doenças» que ameaçam a Igreja e a Cúria romana, como o «alzheimer espiritual», o «sentimento de imortalidade», «a mundanidade», «o exibicionismo» ou «a vaidade».

O Sumo Pontífice aproveitou o tradicional encontro na sala Clementina para as felicitações de Natal aos membros da Cúria romana (que administram a Igreja), para os advertir sobre os males que devem evitar.

Francisco começou por dizer que «seria bonito pensar que a Cúria Romana é um pequeno modelo de Igreja», acrescentando que «um membro da Cúria que não se alimenta quotidianamente com o alimento (de Deus) converte-se num burocrata».