O Governo grego quer recuperar 1,2 mil milhões de euros que considera ter devolvido indevidamente ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira e o presidente do Eurogrupo pediu às entidades envolvidas para analisarem rapidamente o pedido, indicou esta terça-feira o fundo.

O novo Governo grego, que tomou posse no final de janeiro, devolveu ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) no fim de fevereiro 10,9 mil milhões de euros destinados à recapitalização dos bancos gregos que não tinham sido utilizados.

O FEEF canalizou 48,2 mil milhões de euros para o Fundo Helénico de Estabilização Financeira destinados à recapitalização da banca. Os bancos gregos utilizaram 37,3 mil milhões e foram depois devolvidos 10,9 mil milhões.

Mas, segundo fonte próxima do dossiê citada pela AFP, aparentemente 1,2 mil milhões desse montante eram provenientes das próprias reservas de tesouraria do fundo helénico e não do pacote de ajuda europeia.

O Governo liderado por Alexis Tsipras indica que não estava ao corrente desta situação e reclama agora a devolução da quantia em causa, que seria um balão de oxigénio para as finanças gregas, numa altura em que o país tem de pagar 15,5 mil milhões de euros aos credores entre março e agosto.

«O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, pediu ao FEEF para analisar o problema e ao presidente do Euro Working Group (um grupo a nível de peritos) para resolver a questão rapidamente», indicou em comunicado um porta-voz do FEEF.