Uma discoteca dinamarquesa informou, esta terça-ferira, que recusa a entrada a migrantes que não falem inglês, dinamarquês ou alemão, invocando imperativos de segurança, medida que já foi criticada pela Amnistia Internacional.

A decisão dos proprietários da Buddy Holly, em Sønderborg, perto da fronteira com a Alemanha, suscitou reações divididas na Dinamarca e pode criar um precedente.

“O produto que nós oferecemos, a saber uma noite feliz num ambiente seguro, exige que o nosso pessoal possa falar aos clientes”, declarou à AFP o proprietário do estabelecimento, Tom Holden.