O tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT, da Presidente Dilma Rousseff), João Vaccari Neto, foi detido esta quarta-feira, em São Paulo, por suspeita de envolvimento nos casos de corrupção na petroleira Petrobras.

Vaccari foi acusado por ex-dirigentes da petrolífera, que fizeram acordo com a Justiça, de receber subornos para financiar campanhas políticas do partido, inclusive a que antecedeu o primeiro mandato de Rousseff, em 2010.

A prisão do tesoureiro do PT faz parte da nova etapa da operação Lava Jato da Polícia Federal, que investiga desde março de 2014 supostos crimes de corrupção, branqueamento de capitais, associação criminosa e pagamentos de subornos na Petrobras. A ação investiga executivos da petrolífera e de construtoras e políticos.

Além de Vaccari, a cunhada do tesoureiro do PT, Marice Correia de Lima, também foi detida, e a mulher dele, Giselda Rose de Lima, foi levada à esquadra para depor.

Vaccari foi ouvido por deputados na Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras na última sexta-feira, e afirmou que as doações recebidas pelo partido foram todas legais.