Depois da decisão, a data: o julgamento final do processo de impeachment (destituição) da chefe de Estado com mandato suspenso, Dilma Rousseff, começará no dia 25 de agosto e não a 29, como foi inicialmente noticiado. Seja como for, arrancará já depois dos Jogos Olímpicos, por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal do Brasil, Ricardo Lewandowski.

A data foi informada à defesa de manhã, no momento em que os advogados de Dilma Rousseff entregavam as argumentações finais no processo e que serão analisadas pelos parlamentares do Senado (câmara alta) no julgamento.

O documento entregue pela defesa tem 670 páginas: rebate os pontos da denúncia e indica seis testemunhas escolhidas para falar a favor da chefe de Estado com mandato suspenso.

Dilma Rousseff é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais com a intenção de melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

Veja também:

Dilma: "Isto não é um impeachment, é um golpe"

Presidente interino Temer é tão impopular quanto Dilma

Impeachment: o lado B da História