O Senado brasileiro vota esta quarta-feira se a presidente suspensa, Dilma Rousseff, deve ser definitivamente afastada do cargo, pondo fim a um processo de nove meses que dividiu o país com argumentos jurídicos e políticos.

A sessão da votação do ‘impeachment' (destituição) deverá começar às 11:00 horas (15:00 horas em Lisboa), disse na terça-feira o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que comanda os trabalhos do julgamento final, iniciado na passada quinta-feira.

Os legisladores vão responder 'sim' ou 'não' à seguinte questão: "Cometeu a acusada, a Senhora Presidente da República, Dilma Vana Rousseff, os crimes de responsabilidade correspondentes à tomada de empréstimos junto à instituição financeira controlada pela União e à abertura de créditos sem autorização do Congresso Nacional, que lhe são imputados e deve ser condenada à perda do seu cargo, ficando, em consequência, inabilitada para o exercício de qualquer função pública pelo prazo oito anos?"

Caso vença o 'sim' Michel Temer será oficializado como presidente do Brasil até o fim de 2018. Caso o impeachment seja negado pelos senadores, o processo será arquivado e Dilma Rousseff reassume a presidência.

Dilma Rousseff é acusada de editar créditos suplementares no ano passado e de usar dinheiro de bancos federais em programas do Tesouro, as chamadas "pedaladas fiscais".