Dilma Rousseff, Presidente do Brasil com mandato suspenso, disse na noite de terça-feira, em São Paulo, que vai ao Senado para defender a democracia e o voto das 54 milhões de pessoas que a apoiaram nas últimas eleições.

Aconteça o que acontecer temos a clareza que a democracia é algo muito valioso, por isto temos que lutar por ela de tempo em tempos. Eu não vou ao Senado [defender-me das acusações do processo de 'impeachment'] porque acredito no poder dos meus belos olhos, mas vou porque acredito na democracia. Devo isto ao povo brasileiro e vou continuar lutando", afirmou.

A chefe de Estado suspensa esteve presente num ato promovido pela Frente Brasil Popular, um movimento social no país, na Casa de Portugal dois dias antes do início do julgamento do 'impeachment' (destituição) na câmara alta do Brasil.