O debate desta quinta-feira à noite entre os candidatos brasileiros à presidência – Dilma Rousseff e Aécio Neves – ficou marcado pela troca de acusações polémicas.

As acusações começaram com Aécio a acusar a candidata do PT de favorecer o irmão, Igor Rousseff, no seu emprego na câmara de Belo Horizonte durante a gestão de Fernando Pimentel, depois de Dilma ter repetido que o seu opositor tinha empregado familiares no governo de Minas Gerais.

«Infelizmente agora sabemos por que a senhora disse que não nomeou parentes no seu governo. A senhora pediu que os seus aliados o fizessem», afirmou Aécio.

Após estas declarações do candidato do PSDB, Fernando Pimentel rebateu as acusações pelo Twitter.
«Igor Roussef foi assessor especial na minha gestão em BH. Ele é advogado e trabalhou com regularidade e eficiência na prefeitura e na procuradoria do município», escreveu.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, Igor, o único irmão de Dilma, foi designado assessor especial do gabinete do presidente de câmara de Belo Horizonte em setembro de 200. 

No entanto, Aécio não se ficou por aqui. O candidato rebateu as críticas de Dilma do último debate, em que esta afirmava que a irmã mais velha de Aécio, Andrea Neves, tinha sido favorecida no governo do irmão.

«No meu governo, me ajudou muito a minha irmã Andrea, figura extraordinária. Ela assumiu o serviço de voluntariado de Minas Gerais, me ajudou a coordenar a área de comunicação sem remuneração. Lamento ter que trazer esse tema aqui, a diferença entre nós é que a minha irmã trabalha muito e não recebe nada, o seu irmão recebe e não trabalha nada», atacou Aécio.

Polémica da lei seca

Dilma Rousseff usou a polémica da «lei seca» (que pune os condutores que conduzem embriagados) para provocar Aécio. Em 2011, o candidato foi apanhado a conduzir com a carta de condução expirada e recusou-se a fazer o teste do balão, tendo ficado com a carta de condução apreendida.

Ao ser provocado, Aécio afirmou que a candidata não tinha «coragem para a fazer pergunta direto».

«Eu tive um episódio sim, e reconheci. Tenho uma capacidade que a senhora não tem. Eu tive um episódio que parei numa Lei Seca porque minha carteira estava vencida e ali naquele momento inadvertidamente não fiz o exame e me desculpei disso», replicou.

Indignado, Aécio afirmou que Dilma «caminha para perder essas eleições pela incapacidade que demonstrou inclusive de respeitar os seus adversários».

Dilma tem quebra de tensão no final do debate

Face à elevada tensão entre os candidatos durante o debate, Dilma acabou por se sentir mal após o confronto enquanto dava uma entrevista. A candidata teve de pedir para se sentar e beber água antes de continuar a entrevista ao SBT.

«Tive uma queda de tensão, o debate sempre exige muito de nós, foi isso, agora consigo concluir a minha entrevista consigo. Peço desculpas ao telespectador, mas é assim que nós somos», afirmou Dilma.

Nos estúdios televisivos a temperatura é alta, e sob as luzes e refletores do palco onde aconteceu o debate, o calor costuma ser ainda maior, tal como as emoções.